German Lorca Taubaté – Texto do curador

German Lorca: Arte Ofício Artifício

Mostra individual de German Lorca
Sesc Taubaté – 27/04 a 07/07/17
Taubaté

Curadoria: Eder Chiodetto
Design: Julia Masagão e Elisa von Randow
Expografia: Alvaro Razuk

German Lorca nasceu em São Paulo, em 1922, 100 anos após a Independência do Brasil e 100 dias depois da Semana de Arte Moderna.

Ele veio ao mundo entre a Primeira e a Segunda Grandes Guerras Mundiais, entre o Dadaísmo (1916) e o Surrealismo (1924) – movimentos de vanguarda, que alteraram profundamente o estatuto da arte.

Tais acontecimentos, entre outros, configuraram a década de 1920 como uma das mais iconoclastas e libertárias. Esse estado das coisas impactou profundamente o comportamento da humanidade e das artes em geral.

Lorca é um legítimo representante desse período. Após filiar-se ao Foto Cine Clube Bandeirante e ter contato com artistas como Geraldo de Barros, Thomaz Farkas e Eduardo Salvatore, entre outros, ajudou a gestar novas possibilidades expressivas para a fotografia brasileira, até então pouco afeita aos avanços da linguagem que já se observava na Europa.

Por meio de justaposições, solarizações e ataques físicos aos negativos, entre outras estratégias, Lorca e amigos ampliaram sobremaneira o repertório semântico da linguagem.

Essa atitute fazia ressonância à antropofagia, como sugeria o poeta Oswald de Andrade, uma das figuras centrais do Movimento Modernista Brasileiro de 1922, autor do Manifesto Pau-Brasil e do Manifesto Antropófago. Em linhas gerais, esses textos propunham não renegar a cultura estrangeira, mas “devorá-la” para digeri-la, fazendo-a passar por um filtro – “o estômago” – de referências nacionais.

Numa das passagens do Manifesto Pau-Brasil, Oswald conclama os artistas a pensarem o mundo e a representação a partir das “novas formas da indústria, da viação, da aviação. Postes. Gasômetros Rails. Laboratórios e oficinas técnicas. Vozes e tics de fios e ondas e fulgurações. Estrelas familiarizadas com negativos fotográficos. O correspondente da surpresa física em arte…”.

Arte Ofício Artifício busca mostrar como a experimentação de inspiração modernista pautou toda a obra de Lorca, tanto na sua produção artística mais antiga, quanto na sua atividade ligada à publicidade e nos seus recentes e inéditos trabalhos autorais em cor, realizada mais recentemente e exibidos pela primeira vez nessa itinerância pelo SESC.

Eder Chiodetto

Screenshot 2016-06-27 15.34.21

texto_curador